Pecuarista armazenava mais de 6 mil balas em fazenda do Pantanal

07/05/2011 10:59

A Polícia Federal em Mato Grosso apreendeu nesta sexta-feira, dia 6, quatro fardos de munições calibre 7.62. Algo em torno de 6,2 mil balas. Elas estavam escondidas em uma fazenda no município de Barão de Melgaço, região Sul do Estado, um dos braços do Pantanal, a 110 quilômetros de Cuiabá. O pecuarista proprietário da fazenda foi preso, mas a PF não revelou sua identidade. A princípio, acredita-se que as balas serviriam o crime organizado, liderado por  Leomar Oliveira Barbosa, conhecido como “Playboy”,  ex-braço direito de Luís Fernando da Costa, o “Fernandinho Beira-Mar”.

A descoberta do “paiol” de munição aconteceu depois que a Polícia Federal prendeu uma pessoa na Operação Casa Nova III, deflagrada pela Polícia Federal em Goiás. Essa pessoa revelou que um conhecido seu, residente na cidade de Poconé, a 100 quilômetros de Cuiabá,  estaria guardando a munição em sua fazenda em Mato Grosso. As balas estavam escondidas em um tambor enterrado na mata fechada.

As balas 7,62 são usadas como artilharia de guerra. Elas abastecem, principalmente, metralhadoras automáticas de uso exclusivo das Forças Armadas.  Ela serve ainda as armas H&K 417 e ao B 60-20 MAG, utilizado principalmente pelos Fuzileiros Navais.

As investigações da PF em Goiás davam conta que  o “Playboy”,  arrendava uma fazenda no Pantanal com fim de dar sustentação ao tráfico de drogas e outros ilícitos, com uso de aviões. Ele estava se aproveitando a vulnerabilidade latente da região, que tem se constituído na  principal alternativa de rota para os traficantes de drogas e armas e para os muambeiros que contrabandeiam todo tipo de produtos. A região pantaneira compreendida entre a localidade de Limão, município de Cáceres, até Poconé e Barão de Melgaço, numa faixa de mais de 200 km, é formada por rios, corixos e alagados, facilitando a dispersão e passagem de traficantes e contrabandistas.

Em Mato Grosso, haviam dois mandados prisão e um de seqüestro de bens a serem cumpridos. A pessoa presa em Cuiabá – e que teria revelado o depósito de munições – foi  levada para Goiânia. A outra pessoa foi presa já em território goiano. A aeronave que era empregada na internação de cocaína no território brasileiro, segundo a assessoria da PF,  pertencia ao traficante “Playboy” e foi apreendida no aeroporto de Mirassol D'Oeste.
 
A fazenda onde foram apreendidas as munições fica em local de difícil acesso, mais precisamente na região do Pantanal. A área está alagada. Na operação, a PF contou com o apoio da equipe da Companhia de Operações Aéreas da Polícia Militar.

A sistemática de atuação da quadrilha era a compra de cocaína na Bolívia com traficantes daquele país e a introdução no Brasil, via aeronaves de pequeno porte, ficando a droga armazenada neste Estado e posteriormente distribuída para o Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e parte em Goiás. Além destes estados haverá desdobramentos da Operação Casa Nova III nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins.

A estrutura da quadrilha era hierarquizada, sendo que cada integrante cumpria um papel específico sem necessariamente se conhecerem, reportando todos a este traficante, o qual centralizava as informações e coordenava a atuação dos demais membros, comunicando suas ordens por meio de telefones celulares e por recados transmitidos a pessoas que o visitavam na Penitenciária Odenir Guimarães, antigo CEPAIGO.

Fonte:24HorasNews


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!