Copom reduz Selic para 11% ao ano

01/12/2011 08:34

O Banco Central (BC) voltou a cortar o juro básico da economia e praticamente anulou todo o aumento da taxa realizado no início do ano. Na terceira queda seguida, a Selic foi reduzida nesta quarta-feira (30) em 0,5 ponto, para 11% ao ano, exatamente como esperavam os economistas. Com o objetivo de reduzir o impacto da crise global sobre o Brasil e acelerar a economia, os juros já caíram 1,5 ponto desde agosto.

No início do ano, antes das altas do 1º semestre, o juro estava em 10,75%. Unânime, a decisão do BC tenta "mitigar tempestivamente" os efeitos vindos de um ambiente global "mais restritivo", cita o comunicado divulgado após a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O texto diz que "um ajuste moderado no nível da taxa básica é consistente com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012".

Diante de novos sinais de que a economia brasileira avança cada vez mais devagar, o juro seguiu em trajetória de queda para diminuir o custo dos financiamentos e, assim, incentivar a demanda interna. Para atingir esse objetivo, os cortes devem continuar nos próximos meses. Mais do que isso, economistas dizem que o quadro externo pode fazer até com que BC aumente a dose do remédio.

Cortes maiores - Nas últimas semanas, o impasse para a solução da crise na Europa deteriorou ainda mais as condições de mercado, com mais desconfiança e aversão ao risco entre empresas, consumidores e investidores. Ao mesmo tempo, há mais sinais de desaceleração nos países emergentes. Até a pujante China já está rodando com velocidade menor. Para tentar combater essa influência negativa sobre o Brasil, bancos apostam que os juros vão cair ainda mais em 2012.

O Bradesco, por exemplo, reduziu recentemente a previsão para a Selic no próximo ano de 10% para 9,50%. "Não descartamos que a ata deixe as portas abertas para aumentar o ritmo de queda nas reuniões subsequentes", avalia o departamento de pesquisas e estudos econômicos do banco. O Itaú acredita em juro de 9% em 2012 e avalia que cortes mais agressivos são uma possibilidade que segue no jogo. (Com Agência Estado)
 


Fonte: Do GD


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!