Cultivo de soja não-transgênica agrega valor à produção

09/06/2012 09:13

 

Fonte: GD
 

Representante do Programa Soja Livre, fruto de parceria entre a Associação dos Produtores de Soja do Estado de Mato Grosso (Aprosoja), Associação Brasileira de Produtores de Grãos Não Geneticamente Modificados (Abrange) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o diretor técnico da Abrange, Ivan Paghi, alerta que o mercado da soja não-transgênica se consolida como uma opção mais rentável para os agricultores e garante mais liberdade aos consumidores exigentes.

Nos últimos 10 anos, variedades de soja não-transgênica lançadas pela Embrapa continuam estáveis e com bom desempenho de produtividade em todas as regiões do país. Conforme Paghi, os índices acompanhados pelo Programa Soja Livre indicam que já está se ultrapassando a barreira de 4 toneladas por hectare plantado com sementes adapatadas regionalmente e com resistencia a nematoides, ferrugens, chuva na colheita e outros benefícios.

Na safra 2011/2012, a soja não-transgênica representou cerca de 28% da colheita. Ainda de acordo com Paghi, a projeção para a próxima safra é que os grãos convencionais representem em torno de 25% a 26% da produção, com um foco especial na região do cerrado, especialmente nos estados de Mato Grosso e Goiás.

A opção pela soja convencional vem se mostrando cada vez mais viável técnica e economicamente. Além dos produtores que mantiveram o cultivo deste tipo de grão, ele também é opção para aqueles que há mais de 5 anos optaram pela soja transgênica e agora, teoricamente, estão com suas áreas limpas de plantas daninhas. “É hora de fazer a rotação de cultivo e de tecnologias e voltar a ganhar dinheiro, sendo isso possível, o produtor vai continuar pagando royalties por quê?”, questiona o diretor.

A rotação de cultivo entre a soja transgenica e a não-transgênica também ajuda a rotacionar os tipos de herbicidas a serem usados no manejo das plantas daninhas, evitando a seleção e resistência devido ao seu uso contínuo na mesma área por vários anos.

Ele alerta que, além da economia com os royalties, é possível negocial com o trading e receber prêmios que variam de R$2 a R$3 a mais por saca de soja. “A conta que se faz é que a cada mil hectares, o produtor pode ter uma renda adicional de ate R$ 200 mil”, explica. (Com Assessoria)

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!