Escolas serão orientadas

13/04/2012 08:20

 

O material chegará nas 736 escolas da rede estadual

 

Reprodução

O envolvimento da família e o conhecimento sobre como se dá atuação da rede de atendimento e proteção é uma das preocupações do secretário geral dos Conselhos Tutelares de Cuiabá

Fonte:SECOM/MT 
 

No primeiro semestre deste ano será publicada a cartilha do programa Paz na Escola. O material chegará nas 736 escolas da rede estadual. Nesta quinta-feira (12.04), integrantes da rede de proteção e atendimento a crianças, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social discutiram os contornos finais do projeto para viabilizar a publicação ainda neste semestre. 

A coordenadoria de Projetos Educativos da Secretaria de Estado de Educação (Seduc/MT) promoveu um amplo debate entre os atores envolvidos na rede para a formatação do material orientativo, que é uma das 16 estratégias previstas pelo Programa Paz na Escola, da Seduc. De fácil pesquisa, a publicação trará uma lista de situações que podem ser encontradas e quais são as medidas a serem adotadas para a resolução de cada uma delas. 

“A ideia é bem simples, mas ousada. Vai possibilitar que os gestores saibam como proceder. A quem recorrer nos mais distintos momentos. Percebo que há um grande esforço para mudanças. É um material que jamais poderá ficar guardado. Acredito que essa disseminação do conhecimento propiciará mudanças. A semente tem de ser plantada’, defende o delegado Paulo Araújo, que é o titular da Delegacia Especializada no Adolescente (DEA). 

O envolvimento da família e o conhecimento sobre como se dá atuação da rede de atendimento e proteção é uma das preocupações do secretário geral dos Conselhos Tutelares de Cuiabá, Rivail de França Barboza. “Os pais são os grandes responsáveis e precisamos atingir esse público com informações. A educação é preponderante no fortalecimento do sistema”. 

Janaína Pereira, coordenadora de Projetos Educativos, da Secretaria de Educação, citou que as práticas a serem implementadas começaram a sair do papel para serem executadas coletivamente. Mas, ponderou que são distintas as frentes de trabalho e que é necessária a demanda de tempo para que a transformação, de fato, ocorra. “Por isso estamos aqui hoje. Queremos o olhar crítico, as sugestões, o olhar de conhecimento construído com o passar do tempo”. 

A formatação do material orientativo contou com representantes do Poder Judiciário, Polícia Judiciária Civil, Polícia Militar, Secretaria de Assistência Social de Cuiabá (SMASDH), Conselho Estadual de Políticas Públicas contra Entorpecentes (Conen/MT), dentre outros. 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!