Pais levam bebê com anencefalia ao Supremo Tribunal Federal para poder subssidiar ministros sobre aborto

11/04/2012 07:29

 

Fonte:Olhar Direto - Autor:De Brasília - Vinícius Tavares

Foto: Heleno Rezende

Pais da menina em reunião na Câmara Federal

Pais da menina em reunião na Câmara Federal

O Supremo Tribunal Federal (STF) reinicia nesta quarta-feira (11/4) o julgamento a respeito da descriminalização do aborto em casos de anencefalia, a ausêcia de massa encefálica em recém nascidos. O aborto nestes casos é defendido por movimentos feministas e associações científicas sob a alegação que o bebê não consegue sobreviver após o parto. No entanto, o procedimento é condenado por cristãos católicos e evangélicos e por entidades defensoras da vida.

Para dar testemunho de que a sobrevivência de crianças com este diagnóstico é possivel e que só depende do amor, os pais de um bebê com estas características foram até o STF nesta terça-feira para levar a sua experiência pessoal aos ministros um dia antes da retomada do julgamento.

Os ministros que apoiam a legalização do aborto são Ayres Britto, Celso de Mello, Marco Aurélio Mello e Joaquim Barbosa. Desta forma, faltariam apenas dois votos para aprovar a descriminalização.

O casal Marcelo e Joana Croxato, pais da menina Amada Vitória de cristo, de dois anos e três meses, que nasceu sem o cérebro mas sobrevive, reuniu-se com a ministra Rosa Weber. Sem manifestarem se são evangélicos ou católicos, mas "cristãos", eles acreditam que a ciência não tem a última palavra.

"Queremos levar aos ministros do supremo informações que os ajudem a tomar a melhor decisão neste assunto. A ciência não tem a última palavra. A última palavra é de Deus. É ele que decide as coisas. A nós coube dar todo o nosso amor à nossa filha", afirmou Marcelo.

Antes da reunião com a ministra, eles estiveram em reunião com a bancada evangélica da Câmara Federal. Na ocasião, os pais da menina disseram que a decisão de ter o bebê foi tomada assim que receberam o diagnóstico de acefalia. De acordo com mamãe da criança, não houve nenhuma complicação com a gravidez.

"Ela nasceu de parto e cesariana com um apegar 7.8. Desde a sexta semana, quando soubemos do seu diagnóstico, a tratamos com muito amor. A nossa família teve receio num primeiro momento mas nos deu todo o apoio quando anunciamos nossa decisão de tê-la", contou Joana.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!