Plano estadual ainda não surtiu efeito

11/01/2012 07:56

Cinqüenta dias depois de lançado pelo Governo de Mato Grosso, o plano antidrogas está se revelando insuficiente

“Cracolândia” no bairro Alvorada: movimento de compra e venda de drogas não diminuiu desde o lançamento de plano estadua

Cinqüenta dias depois de lançado pelo Governo de Mato Grosso, o Plano Estadual Antidrogas ainda não gerou os efeitos anunciados. Sobretudo as anunciadas internações compulsórias, que seriam realizadas em Cuiabá, e o combate às “cracolândias”, que estariam com os dias contatos, são medidas ainda no papel.

Vários pontos da cidade, como os bairros Alvorada, Porto, Jardim Leblon, Pedregal e Centro, permanecem conhecidos e temidos pela quantidade de uso e venda de drogas a céu aberto.

Nem a Polícia Militar, e nem tampouco as equipes de assistência social, têm realizado as abordagens e os encaminhamentos dos usuários para as clínicas de tratamento.

Ana Elisa Limeira é presidente do Conselho Estadual de Políticas Públicas Sobre Drogas (Conen) e admite que as internações nas comunidades terapêuticas devam ser voluntárias e não coercitivas, ou seja, o próprio dependente químico precisaria pedir ajuda e aceitar se submeter aos tratamentos.

“Temos a perspectiva de fazer internações compulsórias, mas ainda não é nossa realidade”, disse ela.

No lançamento do plano estadual, o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Paulo Lessa, o comandante-geral da PM, Osmar Lino Farias, e outras autoridades disseram que haveria várias frentes de ação, como internações compulsórias, palestras de conscientização, tratamentos psicológicos para pais de dependentes químicos, abordagem da polícia e encaminhamento para as clínicas.

O trabalho seria realizado com a colaboração de todas as secretarias estaduais, que contribuiriam cada qual com 1% de seu orçamento.

Entretanto, a realidade ainda é a mesma. Ana Elisa afirma que para conseguir uma vaga nas comunidades terapêuticas é necessário entrar em contato com o número 0800-647-12-22 e agendar uma internação, mas ela diz que não há vagas suficientes para atender os que apresentam desejo de mudança e que a lista de espera para ingressar em uma das clínicas cadastradas pelo órgão é de 70 pessoas.

Ela diz que não tem conhecimento sobre como andam os trabalhos da prefeitura, que teria como obrigação enviar assistentes sociais para fazer uma triagem dos usuários, dar-lhes banho, roupas limpas, os primeiros atendimentos médicos e cadastrá-los para um tratamento de desintoxicação.

“A assistência social do município é quem faz esse trabalho, é específico deles”, explica a presidente.

Apesar disso, Ana Elisa diz que o Plano já tem resultados. Mais de 250 pessoas já teriam sido atendidas pelo 0800 e as 12 comunidades terapêuticas que são cadastradas já estariam recendo os pacientes.


Autor: ANA ADÉLIA JÁCOMO
Fonte: Diário de Cuiabá


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!