Sob risco de insolvência, municípios de MT têm mais de R$ 700 milhões a receber

30/05/2012 12:32

Fonte:24 Horas News
 


Os prefeitos de Mato Grosso estão revoltados com o descaso da União, que vem atrasando os repasses  e provocando verdadeira onda de caos para o cumprimento das obrigações. Só para as cidades mato-grossenses a União deve R$ 728 milhões de restos a pagar, que não foram liberados. A situação, segundo o presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios, Meraldo Figueiredo Sá, é preocupante. 

Muitos municípios de Mato Grosso não tem condições de sobreviver sem os recursos estaduais e federais. O dirigente municipalista  cobra uma ação imediata da União para aliviar os cofres dos municípios. “Muitos prefeitos mato-grossenses estão com dificuldades em honrar compromissos, que a Lei de Responsabilidade Fiscal  (LRF) exige, devido ao impacto que a crise financeira trouxe a várias administrações municipais”, explicou Meraldo.

A cobrança do repasse dos recursos esteve em pauta durante a Marcha a Brasília, realizada de 15 a 17 de maio. “As prefeituras têm bons projetos, mas há uma morosidade muito grande para a liberação de recursos. Muitas vezes os prefeitos vencem o mandato de quatro anos e não conseguem executar uma obra que começaram no primeiro ano de mandato. Deixamos isso claro para o governo federal”, salientou Meraldo. 

Os gestores cobram ainda a partilha mais justa dos royalties do petróleo entre municípios de todo o país. Os prefeitos defendem que os recursos ajudariam a combater as desigualdades sociais, verificadas em várias partes de Mato Grosso e do país. 

Na contramão da necessidade de incremento das receitas, os municípios ainda são surpreendidos com medidas que geram perdas. Um exemplo recente é o conjunto de medidas de incentivo à economia anunciado pelo ministério da Fazenda. O pacote inclui a redução das alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e das taxas de juros do Programa de Sustentação de Investimento (PSI). O IPI é um dos impostos que integram o Fundo de Participação dos Municípios, uma das principais fontes de arrecadação das prefeituras. 

A Confederação Nacional dos Municípios estima que a redução do IPI vai repercutir diretamente nas finanças dos municípios por ser mais de 15% da composição total FPM. Como a desoneração do IPI será de R$ 1,2 bilhão, o impacto no Fundo deve chegar a R$ 282 milhões nos municípios brasileiros. Em Mato Grosso a estimativa é que a partir de junho a queda no repasse dos recursos seja de aproximadamente 20%. A CNM está articulando para colocar o assunto em debate com o governo federal para discutir as perdas que os municípios terão, visando a reposição dos recursos. 

Em âmbito estadual os municípios ainda aguardam o repasse dos R$ 31 milhões referentes a recursos atrasados da saúde de 2011. Durante o Encontro de Prefeitos, realizado de 9 a 11 de maio, o governador Silval Barbosa garantiu que vai zerar a dívida com a saúde em 60 dias.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!