TSE disponibiliza sistema de prestação de contas

12/07/2012 09:23

Fonte:GD

 

Tribunal Superior Eleitoral já disponibilizou o sistema oficial de prestação de contas de campanha eleitoral. Candidatos, partidos políticos e comitês financeiros são obrigados a utilizar o programa de computador para emissão de recibos eleitorais e apresentação do balanço financeiro das campanhas. O endereço para cópia do arquivo e maiores informações é https://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-2012/prestacao-de-contas.

Todos os dados, incluindo informações sobre arrecadação de recursos e os gastos com qualquer tipo de despesa devem ser lançados no sistema, que inclusive tem uma função específica para a emissão de recibos eleitorais para as pessoas físicas ou jurídicas que colaboram com a campanha política dos candidatos.

Para que uma doação para candidato ou partido político seja considerada legal, a agremiação que recebeu os recursos deverá emitir um recibo através do sistema, identificando a quantia e o tipo de doação feita, seja ela feita em dinheiro ou através de fornecimento de algum bem ou serviço, que deverá ter o valor estimado.

A participação política de pessoas comuns e empresas, através de doações para campanha política, também é regulamentada pela legislação eleitoral. A primeira situação que o interessado em doar dever observar é justamente a emissão do recibo eleitoral, feito pelo sistema SPCE.

Sem o recibo eleitoral, a doação para campanha não é tida como oficial e o recebimento de dinheiro ou qualquer outro bem ou serviço, sem a devida emissão do recibo, poderá ocasionar sansões ao candidato ou partido no momento da prestação de contas. A doação de bens ou serviços, a exemplo de empréstimo de veículos ou imóveis, também deve ter o valor estimado e lançado no sistema, com a devida emissão do recibo.

O doador também deve estar atento para os limites legais. Pessoas comuns podem doar até 10% do rendimento bruto declarado à receita federal no ano anterior. Para empresas e outras pessoas jurídicas, a doação para fins políticos se limita a 2% do faturamento bruto obtido também no ano anterior. Caso a empresa seja fundada no ano da eleição, ela estará impedida de doar para campanhas, sob pena de ser multada em valores bem superior ao doado. (Ascom) W.S


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!